Exposições

jean franois 

4 de OUTUBRO a 1 de DEZEMBRO

A Índia é um país onde os opostos convivem constantemente: o trivial e o sagrado, o belo e o feio, o puro e o impuro, a limpeza e a sujidade, a gentileza e a violência, a tradição rígida e a modernidade desgrenhada, a confiança e o medo, o caos e a serenidade, o real e o imaginário por vezes tão fundidos um no outro…
A nossa intenção é, em primeiro lugar, fazer justiça ao que nos parece belo, estando sempre apto a enquadrar o ser humano. A outra decisão, esta puramente plástica, está relacionada com a saturação das cores.
O sândalo ou o excremento, o amarelo, o vermelho ou o índigo, têm aqui a força da vontade primária, até mesmo primordial. Se a Índia tem mil mistérios e certamente muito pó debaixo do tapete, ela é também o país da franqueza. É essa franqueza, ofuscante e inebriante, que quero restituir nas escolhas cromáticas, claramente coloristas.
E é com as mulheres – elas são tão rapidamente elevadas ao estatuto de deusas como maltratadas, massacradas, esquecidas – nas diferentes idades da vida, que escolho deitar um olhar afetuoso sobre este imenso e indecifrável país.

Jean-François BOURGEOT

Sala Afonso Cruz | Entrada livre

cae rodap

Mario tendinha Lucira

11 de OUTUBRO a 19 de JANEIRO

Sala 2 | Entrada livre

*Tem um SUL para contar ao mundo e é o que faz em várias exposições depois de 25 anos sem pintar devido à destruição do seu atelier, quando Angola foi invadida pelas tropas Sul Africanas.
E é ali onde tudo acontece, onde o SUL começa, acaba e recomeça.
Mário Tendinha, angolano, *carrega o saco das memórias do seu SUL e transporta-nos com a magia do seu fino traço para uma viagem através desse seu SUL.
Ele é um contador de estórias.

*Ana Paula Tavares in Meridionális

Horário:

De segunda a quinta-feira: 9h00 às 23h00

Sexta-feira: 9h00 às 24h00

Sábados: 10h00 às 24h00

Domingos e Feriados: 10h00 às 19h00

Dias de espetáculo: até ao final do espetáculo

 

cae rodap

Gentes do Mar

 IMG 9533 

7 de NOVEMBRO a 2 de DEZEMBRO

No seguimento do seu estilo de pintura muito próprio, Nuno Confraria apresenta um conjunto de trabalhos em que desafia os sentidos, num confronto direto entre a realidade e o seu retrato geométrico.
Mantendo-se fiel ao Pastel Seco, esta técnica continua a demonstrar toda a sua força e subtileza pelas mãos do artista, num misto de cores que favorecem indiscutivelmente as formas inerentes ao Cubismo.


Sala Zé Penicheiro | Entrada livre

 

 

  Cartaz Fernando Bento

Até 2 de FEVEREIRO de 2020

“Estes rostos de escritores, propostos por Fernando Bento, suscitam um encadear de ideias e até um eternizar de memórias. Por trás de uma fisionomia humana há sempre uma história e uma memória. Se pensarmos assim, percebemos que o fotógrafo de que falamos não se limita a fixar e a reproduzir imagens. Ele capta, para além da máscara, a expressão dos gestos, revelando sentimentos e identificando emoções.
Escolher 25 fotografias, entre largas centenas de imagens, não foi fácil. Felizmente conseguimos reunir aqui algumas das mais marcantes figuras da nossa literatura da segunda metade do século XX. São retratos históricos, raros e desconhecidos”.
Luís Machado
(Curador)

 

Sala 3 - Entrada livre

 

cae rodap

 
instagram png instagram logo site

cmffpb